Follow by Email

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

A MINA!!!!!


Bom começo dizendo que a experiência de 33 (trinta e três) pessoas confinadas a uma profundidade de mais ou menos 630 metros no deserto de Atacama foi única na historia da humanidade , ou pelo menos deveria sê-lo não fosse a descoberta depois de quase de 20 dias que os mineradores estavam vivos. Falo que a partir dai, tuneis cavados nesse singular pedaço de solo chileno restabeleceram contato do grupo com o mundo exterior. Não só pela alimentação, mas canais de internet, televisão, conversas com as famílias, e pronto: fez-se a luz num buraco de ar rarefeito na viagem ao centro da terra. Digo que isto virou um grande Big Brother da sobrevivência e o oportunismo politico capitalizado pelo presidente Sebastian Piñera, que jamais imaginou ver sua popularidade saltar quase 70%, enquanto as perfuradoras abriam o túnel salvador . Dele e dos pobres coitados. Até Evo Morales, presidente agressor de peladas, viu num único boliviano a chance de desenterrar sua medíocre sandice de ditadorzinho bolivariano. Bom, concluo que o lado positivo foi mesmo o espirito humanitário dos enterrados. Poucos por todos numa difícil convivência de quase três meses, isso me faz perguntar se não vivemos algo parecido no trabalho, confinados no dia-a-dia onde quase não se fala um com o outro, e, quando o fazemos, a ligação mais intima com o cara do lado vem na maioria das vezes pelo computador. Defino dizendo que no máximo uma fuga para o café sem gosto da maquina surrada que o patrão insiste em não trocar. Ok? Minha reflexão é que a volta para a casa, depois de um dia fatigante . Sobrevivendo a sequestros relâmpagos e trânsito assassino. Porta aberta, beijo na esposa, engole a comida esquentada no microondas. Palavras mal trocadas com o filho. Sono entre cortado com o televisor ligado no lixo da TV fechada. E claro, o sonho de que todos nós vivemos mesmo numa mina, ou seja, num grande buraco, como o mito da caverna de Platão.


Adalberto. E. S.Alves – Professor e pedagogo




Nenhum comentário:

Postar um comentário