Follow by Email

sexta-feira, 11 de abril de 2014

A palavra final sobre 1964
Almino Afonso disse tudo quando definiu o golpe de 64 como traição, a ser punida pelo Código Militar com 20 anos de prisão e até pena de morte
Foi preciso esperar meio século para que surgisse a palavra final sobre o golpe de 64.
Foi uma traição, um crime previsto no Código Penal Militar, explicou Almino Afonso em sua entrevista no programa Roda Viva.
Aqui explico em mais detalhes.
O Código Penal Militar prevê, em grau máximo, pena de morte e, em grau mínimo, 20 anos de reclusão, para crimes como “coação ao comandante”, o que inclui, no artigo 358, “entrar em conluio, usar de violência ou ameaça, provocar tumulto ou desordem com o fim de obrigar o comandante a não empreender ou cessar ação militar, a recuar ou render-se;”.
Basta lembrar que o comandante-em-chefe das Forças Armadas, em 1964, era João Goulart, para entender do que Almino Afonso estava falando.
Também pode ser incluídos em penas com a mesma gravidade – morte ou 20 anos de reclusão -- aqueles que, como diz o artigo 356, abandonam “posição" e deixam de “cumprir ordem.” Lembra da turma que debandou na Via Dutra? 
 Se você lembrar as relações dos golpistas em relação ao exército norte-americano, aceitando uma posição de subordinação assumida, a ponto de aguardar por armas da Operação Brother Sam, pode chegar à conclusão que houve uma “tentativa contra a soberania do Brasil.”.
Pena? “Morte ou 20 anos de reclusão.”
No capítulo Da cobardia qualificada (assim mesmo, com “b”) aprende-se que:
Art. 364. Provocar o militar, por temor, em presença do inimigo, a debandada de tropa ou guarnição; impedir a reunião de uma ou outra, ou causar alarme com o fim de nelas produzir confusão, desalento ou desordem:
Pena - morte, grau máximo; reclusão, de vinte anos, grau mínimo.

 Não sou advogado, não entendo de Direito Militar, mas vamos concordar: são imagens evocativas daqueles dias, concorda?
 A leitura desses artigos não é pura formalidade. É uma aula política, que contém uma lição fundamental para o Brasil de hoje. 
Ao colocar o debate no plano criminal, Almino Afonso mostrou a gravidade do que ocorreu em 1964. Do ponto de vista dos valores democráticos, das leis do país e até dos códigos militares, estamos falando de decisões inaceitáveis. 
Depois de 21 anos de ditadura, muitos comentaristas mantém uma postura perigosamente tolerante diante de medidas  de ataque à democracia.
 Como se estivessem aplicando à vida pública os mesmos códigos de comportamento que muitos casais praticam em sua vida privada, aceitam infidelidades, relações múltiplas e outras variações, conforme as circunstâncias ou, para empregar um termo político, conforme a “conjuntura.”.
 Queremos “explicar” o golpe. Saber “por que” aconteceu. Saber a “herança”.
São exercícios mentais ótimos, enriquecedores do ponto de vista do conhecimento – mas não devem servir para esconder o principal. Do ponto de vista dos valores democráticos, um golpe de Estado não tem justificativo. Não se faz e não se aceita que outros façam. Deve ser denunciado, punido.
Por isso é traição, cobardia. Por isso é tão difícil falar sobre ele -- embora se fale muito. Tem gente que diz que nenhum assunto rendeu tantos livros e tantas reportagens. Mas se diz pouco. Porque são verdades duras. Os vencedores de 64 contaram sua história e querem repetir a versão de 50 anos atrás ainda hoje. O grau de sofisticação varia, a erudição também. Mas a narrativa é a mesma.
Por que será? Não estão sequer arrependidos. Não. Eles não acham que erraram. Aqui está o problema.
Mas foi um crime e como tal deve ser visto e analisado. Não pode ser tolerado. 
Não se pode pensar nele como o filme “Matou a família e foi ao cinema.”.
É justamente pela tamanha gravidade, que, 50 anos depois, o país tem dificuldade para discutir o que houve com clareza e honestidade e tirar suas consequências.
Nossos valores fundamentais – que começam na democracia, no respeito à soberania popular – não foram respeitados. Havia uma eleição marcada para um ano depois. Foi cancelada -- e tudo mais, num pacote grotesco de violências, desmandos, abusos. 
Não tem nada a ver com o "contexto da Guerra Fria," como se quer acreditar, enobrecendo um argumento para a subordinação e a dependência. A questão é "tentativa contra a soberania do Brasil."
As falhas e erros de João Goulart, que eram reais, não explicam tudo e não justificam nada. A questão é anterior e maior. Imagine um crime cuja pena mínima é 20 anos de prisão. 
Não dá para fazer risinhos nem piadinhas. 
Pela palavra traição, não há subterfúgio nem solução optativa. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário