Follow by Email

domingo, 21 de agosto de 2011

ALERTA "BULLYING": (AMEAÇA PARA A FUTURA GERAÇÃO NO CONVIVIO SOCIAL)

“Bullying”: JÁ OUVIU FALAR?




Bom, o “Bullying” é exercido por um ou mais indivíduos, causando dor e angustia, com objetivo de intimidar ou agredir outra pessoa. Falo que o “Bullying” é um termo da língua inglesa (bully=valentão) que se refere a todas as formas de atitudes agressivas, verbais ou físicas, intencionais e repetitivas, que ocorrem sem motivação evidente e são exercidas por um ou mais indivíduos, causando dor e angustia, com o objetivo de intimidar ou agredir outra pessoa sem ter a possiblidade ou capacidade de se defender, sendo realizadas dentro de uma relação desigual de forças ou poder. O “Bullying” se divide em duas categorias: 1º “Bullying” direto, que é a forma mais comum entre os agressores masculinos e o 2º “Bullying” indireto, sendo essa a forma mais comum entre mulheres e crianças, tendo como característica o isolamento social da vitima. Em geral, a vitima teme o (a) agressor (a ) em razão das ameaças ou mesmo a concretização da violência física ou sexual, ou a perda dos meios de subsistência. Digo que o “Bullying” é um problema mundial, podendo ocorrer em praticamente qualquer contexto no qual as pessoas interajam, tais como escola, faculdade (universidade), família, mas pode ocorrer também em local de trabalho e entre vizinhos, ok? Há uma tendência de as escolas não admitirem a ocorrência do “Bullying” entre seus alunos; ou desconhecem o problema ou se negam a enfrentá-lo. Esses tipos de agressão geralmente ocorrem em áreas onde a presença ou supervisão de pessoas adultas é mínima ou inexistente. Estão inclusos no “Bullying” os apelidos pejorativos criados para humilhar os colegas, ok? As pessoas que testemunham o “Bullying” na grande maioria, alunos, convivem com a violência e se silenciam em razão de temerem se tornar as “próximas vítimas” do agressor. No espaço escolar, quando não ocorre uma efetiva intervenção contra o “Bullying”, o ambiente fica contaminado e os alunos, sem exceção, são afetados negativamente, experimentando sentimentos de medo e ansiedade. As crianças ou adolescentes que sofrem “Bullying” podem se tornar adultos com sentimentos negativos e baixa autoestima. Tendem a adquirir sérios problemas de relacionamento, podendo, inclusive contrair comportamento agressivo. Em casos extremos, a vítima poderá tentar ou cometer suicídio. Concluo dizendo que, o (s) autor (es) das agressões são geralmente são pessoas que têm pouca empatia, pertencentes à família desestruturadas, em que o relacionamento afetivo entre seus membros tende a ser escasso ou precário. Por outro lado, o alvo dos agressores geralmente são pessoas pouco sociáveis com baixa capacidade de reação ou de fazer cessar os atos prejudiciais contra si e possuem forte sentimento de insegurança, o que os impede de solicitar ajuda, ok? Defino dizendo que no Brasil pesquisa feita com alunos de escolas públicas e particulares revelou que as humilhações típicas de “Bullying”, são comuns em alunos da 5ª e 6ª séries. As três cidades brasileiras com maiores incidências dessa prática são: Brasília, Belo Horizonte e Curitiba, ok? Minha reflexão é os atos de “Bullying” ferem princípios constitucionais "respeito à dignidade da pessoa humana", e ferem o Código Civil, que determina que todo ato ilícito que cause dano a outrem gera o dever de indenizar, ok? O responsável pelo ato de “Bullying” pode também ser enquadrado no Código de Defesa do Consumidor, tendo em vista que as escolas prestam serviços aos consumidores e são responsáveis por atos de “Bullying” que ocorrem dentro do estabelecimento de ensino e trabalho, ok?

FIQUEM ATENTOS COLEGAS PROFESSORES!!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário