Follow by Email

sexta-feira, 16 de julho de 2010

A VERGONHA DE SER HUMANO!!!

Bom, começo dizendo que desde outubro de 2008, durante aquelas 100 horas de cárcere privado seguido de morte de uma adolescente num conjunto habitacional de Santo André, o Brasil não se chocava tanto com a estupidez de um crime. Não se fala de outra coisa nas últimas 100 horas em todo o país. Nos telejornais, o passa a passa da barbárie contra essa jovem desaparecida há um mês na região metropolitana de Belo Horizonte, transformou o noticiário em filme de terror “trash”. Falo que o espanto, no caso, transcendo os limites da crônica policial. Por trás do motivo torpe da lambança, a mecânica macabra do sacrifício da vítima, tem levado muito a um estado de catatonia reflexiva diante dos fatos: como pode um ser humano virar esse tipo de monstro de seriado? Falo que a perplexidade dos homens de bem chegou ao canil das almas. Impacto igual, que me lembre, só quando aquela garotinha foi defenestrada do 6º andar do Edifício London, na Vila Guilherme(SP), em março de 2008. Concluo que notícias assim são paralisantes! O Brasil assiste incrédulo a um desses momentos em que a raça humana fica envergonhada da civilização. Defino dizendo que como um jogador de futebol bem sucedido que vem da pobreza, destrói uma vida e sua carreira brilhante num time de futebol, mundialmente conhecido (Flamengo), e mata um ser humano como um porco. E não podemos esquecer o caso da advogada que morreu por nada (ciúmes!). Digo que isto é absurdo sem justificativas, nós, seres humanos, não temos o direito de tirar a vida de ninguém. A sociedade precisa fazer uma reflexão de tudo que está acontecendo a nossa volta, ou seja: briga no trânsito, briga em fila de banco, e outros absurdos ...... Portanto não deixe de ser uma forma de “Fim de Mundo”!!! Bom caros colegas, diante dessas barbáries de 2008 até julho de 2010, reflito dizendo que parem esse “174”, eu quero é descer!!!! ok? PENSEM E REFLITAM!!

Adalberto do E. S. Alves – professor e pedagogo – 16 de julho de 2010.

Nenhum comentário:

Postar um comentário